Aldeia RPG

Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

Suporte no desenvolvimento de jogos


    Crônicas do Kazu - Clichês

    Kazuyashi
    Kazuyashi
    Iniciante
    Iniciante

    Mensagens : 46
    Créditos : 14

    Crônicas do Kazu - Clichês Empty Crônicas do Kazu - Clichês

    Mensagem por Kazuyashi em Qui Ago 02, 2012 6:58 pm

    Crônicas do Kazu - Clichês MFXuN


    Escrito por Kazuyashi em 23/03/2012


    Crônicas do Kazu - Clichês TjVru

    OBS: Contém palavras de baixo calão. Se você possui algum pudor com relação a isso, por favor, peço para que não prossiga na leitura.

    OBS²: O texto é uma mescla de linguagem formal e informal. Às vezes o informal pode se tornar mais informal ainda.

    OBS³: As palavras em itálico são: ou palavras de origem estrangeira, ou neologismo, ou citação entre aspas.

    OBS[4]: Este texto foi escrito enquanto exercia o cargo “redator” da comunidade Centro RPG Maker.


    Crônicas do Kazu - Clichês MbvYd
    Estava hoje no ônibus, voltando para a casa, quando comecei a pensar sobre o que escrever para o fórum. Assumi o posto de redator da comunidade há alguns dias, porém sequer elaborei uma única matéria. Após algumas várias matutações, idéias mil percorrendo à minha cabeça e buzinas irritantes e descompassadas no engarrafamento caótico do Rio de Janeiro, concluí que não tinha assunto nenhum para tratar. Ou melhor, assunto tinha: poderia entrevistar algum maker, fazer um review de um projeto qualquer, buscar novidade qualquer que fosse, e uma infinidade de outras possibilidades. Mas a questão, meu amigo leitor, é que eu não queria abordar nada daquilo. Queria fugir daquilo. Queria me desligar completamente daquilo. Falava para mim mesmo: “Fala sério, zé mané! Todo mundo faz aquilo. Faça algo diferente, porra!” E eu estava, realmente, quase buscando soluções aleatórias que me proporcionariam uma inovação insana e desconhecida. Algo que poderia revolucionar a forma como as comunidades makers faziam suas matérias. Algo que ficaria na história como a mais bem articulada idéia já concebida por um reles escritor. Algo que...

    BII! BIII! BIIIIIIIIIII! – Entenda “bi” como referente à buzina –...

    “CARALHO! Perdi a porra da idéia!”... – era tudo o que eu pensava naquele momento.

    A idéia me havia escapado da mesma forma que me havia surgido: do nada e em uma fração de segundo. Acontece que depois disso, meu amigo leitor, eu fiquei puto. E eu fiquei muito puto mesmo! Mas essa minha putacidade não foi ruim. Sou grato a essa buzina filha da puta que me fez perder a idéia. Sou grato por que sei que esta idéia, taxada por mim como completamente inovadora, seria impossível de suscitar. Seria impossível pelo fato de que nada é completamente inovador. Não há razão tentar criar algo completamente inovador. Não há razão e não há meios de se criar algo completamente inovador. É impossível para mim, para você e para o mundo. E isso me fez pensar que não havia razão para não abordar assuntos que são do meio comum.

    Com medo de perder mais alguma idéia, tal como um pistoleiro sacando a sua arma, saquei o meu caderno do Flamengo e uma caneta BIC das mais vagabundas da mochila, pondo-me a escrever. Escrevi sobre algo que eu há muito gostaria de abordar. Sobre um assunto já muito discutido e clichêrizado, que é o próprio assunto “Clichê”.

    No primeiro parágrafo do meu texto feito à base de tremeliques ônibuzais, escrevi: “Não invente indiscriminadamente. Você não precisa criar uma coisa completamente nova. É impossível criar algo completamente novo, tendo em vista que tudo que criarmos será baseado em criações já existentes. Não é difícil concluir que, com base nisto, tudo que existe é clichê. E isto mesmo que seja um clichê ‘inovador’. Portanto, se a idéia que você tem em mente já foi usada e abusada, por favor, meu amigo... continue usando e abusando dela!”

    Após alguns outros tremeliques, e antes que eu pudesse continuar escrevendo o meu texto, escutei uma menina– Menina incrivelmente GOSTOSA, diga-se de passagem – que estava sentada ao meu lado falando ao celular. Ela estava conversando com alguma amiga, e a conversa, vou tentar sintetizá-la aqui para vocês: “Ai, amiga, eu estou sozinha por opção, sabe... Eu quero um homem que me complete. De verdade. Quero um homem que seja romântico, carinhoso, inteligente, de bem com a vida... Um homem que me dê flores sem precisar de uma ocasião especial para isso. Quero um homem que me escute sempre, que construa uma vida comigo, que diga ‘eu te amo’ sem medo de se achar idiota por isso... Ele não precisa ter beleza física, ser atlético, nada... Eu só quero que ele seja a pessoa mais incrível do mundo pra mim... Quero que ele seja...” e blá, blá, blá. Ela enveredou-se a falar neste comum pensamento feminino. Eu dei uma de fofoqueiro, larguei um pouco a caneta e fiquei a ouvindo falar sobre o mesmo assunto por vários minutos com a amiga. Juro para vocês que estava quase interrompendo a conversa das duas e falando: “Prazer. Homem feio, porém completo, de verdade, romântico, carinhoso, inteligente e feito sob medida pra você, SUALINDA” – Ela era MUITO gostosa – mas decidi me abster.

    Com o passar do tempo, outros assuntos entre as duas foram levantados, quando, então, em determinada parada do ônibus, atravessa a roleta um cara sem camisa. Vocês acreditam que a gostosa do meu lado teve a petulância de dizer para a amiga: “Nossa, amiga... passou um gostoso aqui agora que só Deus! Ô esse homem lá em casa, heim?! Ia deixar ele louco! Nossa, ele é todo sarado, atlético, bonito... Por que eu não acho um homem assim, amiga?” ?!

    Juro para vocês que aquela situação me deixou igualmente puto e descontraído. Puto por que a mina era uma hipócrita, escrota e vadia. Descontraído por que ela era uma hipócrita, escrota e vadia. Tive que rir, mesmo que internamente. Fiquei imaginando o quanto de tempo havia desperdiçado ouvindo aquela conversa, embora ela também houvesse me dado uma idéia. E essa idéia se estenderia por alguns parágrafos do meu texto sobre o clichê. Segurei firme a caneta e pus-me a continuar escrevendo. Ficou assim: “As pessoas são hipócritas. As pessoas são totalmente irônicas. E ironia que digo é na real acepção da palavra, que nos traz à tona o significado de ‘contraditórias’. As pessoas são contraditórias. Todas dizem não gostar do clichê e querer fugir dele em absoluto, quando, na verdade, por trás da cena, elas o idolatram. Elas amam o clichê, de verdade.”

    Escrevendo com letras garranchais, dignas de causar inveja a qualquer médico do mundo, e acrescentando os solavancos nada agradáveis do ônibus, passei para o próximo parágrafo: “Posso pautar a minha tese em um fenômeno real e do cotidiano: A novela televisiva. Não assisto novela, mas o desenrolar e desfecho dela são totalmente intuitivos. Sei que toda novela, não importando o pseudo-assunto que ela finja tratar, sempre terá um triangulo amoroso, um personagem estupidamente bom e inocente (que pode pertencer ao triangulo amoroso citado acima ou não), que sofrerá a trama inteira e encontrará a paz somente no último capítulo. Terá também um vilão extremamente cruel, usufruidor dos meios mais ridicularmente manjados para fazer o personagem bonzinho sofrer e o espectador se contorcer de raiva. E, no final da série, este vilão poderá ainda se tornar um bom moço (moça) ou morrer incendiado (a) ou por tiros (as) – Usei dicotomia no ‘tiros’ de brincadeira. Odeio usar dicotomia – E por que toda novela é igual? Simplesmente por que o público que a assiste prefere assim. As pessoas, de modo geral, não gostam e não estão acostumadas a mudanças. Então, por mais diferente que seja o enredo da série, ele, após algumas enquetes de audiência, será completamente distorcido e modificado em seu decorrer. Simplesmente material novo não dá audiência. O que dá audiência é o bom e velho clichê.”

    Meu texto pró-clichê estava ganhando forma. Eu tinha ciência que não estava ficando bom, mas decidi continuá-lo. Pior que eu ainda me permitir dar algumas viajadas, o deixando mais sem noção ainda. E não, meu amigo leitor, antes que você pergunte: eu não uso drogas. O parágrafo se sucedeu da seguinte forma: “O mesmo acontece com a nossa linda história clichê. Não a mude por completo! Simplesmente terá trabalho em vão. Primeiro por que você não vai conseguir criar algo novo em essência e vai se matar tentando fazer isso. Mas, como por regra, toda regra tem uma exceção, supondo que você consiga criar algo completamente novo, certamente não terá público algum para assisti-la e contemplá-la. Portanto, não abandone o clichê. Pense no clichê como se fosse o seu filho! Você abandonaria o seu filho? Ele pode se sentir mal, se zoado pelos colegas por ser careta, feio, sem estilo... realmente pode se configurar um quadro de bullying e seu filho querido entrar em depressão. Mas você abandonaria o seu filho por conta disso? Você deveria ajudá-lo a melhorar, a dar a volta por cima. Deveria comprar roupas novas para ele, dar um trato em seu visual e deixá-lo a coisa mais fofa do mundo. Com isso, os colegas não mais implicariam com ele e pode até ser que ele consiga uma namoradinha. Seu filho clichê entrará em harmonia com a vida, com o resto do mundo. Entretanto, por mais diferente que possa estar, ainda seria o seu filho. Ainda seria, em essência, o menino que você colocou no mundo. Por isso, pais, não abandonem os seus filhos clichês.”

    Terminei de escrever. Estava, naquele momento, convicto de que tinha escrito o texto mais lixo que eu poderia em toda a minha vida. E justamente sobre um assunto que eu sempre quis escrever. Meu dia não estava bom, e eu escrevi algo menos bom ainda. Fechei e guardei o caderno, guardei o lápis, desci do ônibus e tomei meu caminho para casa.

    Espero que da próxima vez consiga escrever um texto e uma matéria decente” – Foi o que pensei, enquanto observava a gostosa e o cara sem camisa saindo de mãos dadas do ônibus e indo sabe-se lá para onde e que fica a cargo da imaginação de cada um.
    FilipeJF
    FilipeJF
    Aldeia Friend
    Aldeia Friend

    Medalhas : Crônicas do Kazu - Clichês 94JxvCrônicas do Kazu - Clichês 94Jxv
    Mensagens : 1858
    Créditos : 134

    Crônicas do Kazu - Clichês Empty Re: Crônicas do Kazu - Clichês

    Mensagem por FilipeJF em Qui Ago 02, 2012 7:10 pm

    Texto ficou ótimo!
    Eu ri em algumas partes. Ficou muito bom. E na parte da conversa da garota com a colega, eu tenho que concordar. Aquilo é um fato real, com certeza!
    Parabéns, espero ver mais textos seus por ai.

    Abraços!


    _________________

    Crônicas do Kazu - Clichês Atpqp
    Kuraudo
    Kuraudo
    Colaborador
    Colaborador

    Medalhas : Crônicas do Kazu - Clichês Trophy11Crônicas do Kazu - Clichês 94Jxv
    Mensagens : 961
    Créditos : 75

    Crônicas do Kazu - Clichês Empty Re: Crônicas do Kazu - Clichês

    Mensagem por Kuraudo em Qui Ago 02, 2012 7:12 pm

    Finalmente um roteiro que vale a pena se ler. Gostei muito da sua tese geral, é fato mesmo que as pessoas estão acostumadas ao clichê, e que inovação é um caminho perigoso. Mas eu acho que sempre há espaço para algo diferente, se for diferente e bom.

    +1 crédito para escrever um texto decente

    Roteiristas novos, aprendam com ele


    _________________
    Antes de postar, leia as regras
    Crônicas do Kazu - Clichês AIymW
    Fato Sobre George R. R. Martin:
    Crônicas do Kazu - Clichês Cult_grrm
    Samuka_Maker
    Samuka_Maker
    Aldeia Friend
    Aldeia Friend

    Medalhas : Crônicas do Kazu - Clichês WBLhI
    Mensagens : 1200
    Créditos : 125

    Crônicas do Kazu - Clichês Empty Re: Crônicas do Kazu - Clichês

    Mensagem por Samuka_Maker em Qui Ago 02, 2012 7:31 pm

    Muito bom o texto cara Successful estão faltando roteiristas como tu kkkk eu ri muito com o texto e a conversa da mina ai kkkkkkkkk o mina ironica eim O.o vc me inspirou a escrever agora


    _________________

    Life rpg maker, suporte para criacao de jgoos online eoffline, link do forum:(v2.0)
    http://liferpgmakerv2.forumais.com/

    Crônicas do Kazu - Clichês 6f4EA

    Crônicas do Kazu - Clichês Bxvno
    Tópico original/Tópico de Recrutamento
    Kazuyashi
    Kazuyashi
    Iniciante
    Iniciante

    Mensagens : 46
    Créditos : 14

    Crônicas do Kazu - Clichês Empty Re: Crônicas do Kazu - Clichês

    Mensagem por Kazuyashi em Qui Ago 02, 2012 8:20 pm

    Poxa, muito obrigado por dedicar parte do seu tempo a ler o meu humilde texto, Filipe! Pois é: essas garotas trolls! Ainda pagarão pela lingua grande! hauhaua Em breve pretendo postar outros textos. Obrigado novamente pelas palavras e espero tê-lo como leitor de meus humildes trabalhos!

    Um grande abraço, rapaz!

    Nossa, fico imensamente lisonjeado com as palavras, Night! Muito obrigado mesmo por dedicar parte do seu tempo em ler um texto meu. E sobre a tese, fico feliz que tenha gostado! Já a sustento por muito tempo. E concordo com você: realmente é bom inovar! A inovação é sempre bem-vinda. Só critico as pessoas que tentam inovar 100%, pois julgo ser impossível algo do gênero. hehe E muito obrigado pelo crédito, rapaz! E nossa, "roteiristas novos, aprendam com ele" ?! Omg Vou ficar me sentindo agora! hasuhasuhasuashuas muito obrigado mesmo pela força!

    Um grande abraço e espero tê-lo como leitor nos meus próximos textos, rapaz!

    Valeu mesmo pelas palavras, Samuka! Nossa, não sou digno de tanta moral assim, rapaz! Mas muito obrigado! sahasuhasu E pois é, essas meninas são muito irônicas. Cambada de falsas. u_u hasuashuash Nossa, eu te inspirei?! *-* Owwn Fico feliz, rapaz! Espero ver textos seus por aqui! =)

    Um grande abraço e espero vê-lo nos meus próximos textos!

    Kazuyashi.


    _________________
    Vem aí...
    Crônicas do Kazu - Clichês GkXhO
    Crônicas do Kazu - Clichês Ok7yF
    Samuka_Maker
    Samuka_Maker
    Aldeia Friend
    Aldeia Friend

    Medalhas : Crônicas do Kazu - Clichês WBLhI
    Mensagens : 1200
    Créditos : 125

    Crônicas do Kazu - Clichês Empty Re: Crônicas do Kazu - Clichês

    Mensagem por Samuka_Maker em Qui Ago 02, 2012 8:30 pm

    Ois é kk e já ia me esquecendo +1 cred rapaaz, já estou a fazer o meu texto <:


    _________________

    Life rpg maker, suporte para criacao de jgoos online eoffline, link do forum:(v2.0)
    http://liferpgmakerv2.forumais.com/

    Crônicas do Kazu - Clichês 6f4EA

    Crônicas do Kazu - Clichês Bxvno
    Tópico original/Tópico de Recrutamento
    Kazuyashi
    Kazuyashi
    Iniciante
    Iniciante

    Mensagens : 46
    Créditos : 14

    Crônicas do Kazu - Clichês Empty Re: Crônicas do Kazu - Clichês

    Mensagem por Kazuyashi em Qui Ago 02, 2012 9:18 pm

    Muito obrigado pelos créditos, rapaz! Aguardo para ler o seu texto! =)

    Um grande abraço,

    Kazuyashi.


    _________________
    Vem aí...
    Crônicas do Kazu - Clichês GkXhO
    Crônicas do Kazu - Clichês Ok7yF

    Conteúdo patrocinado

    Crônicas do Kazu - Clichês Empty Re: Crônicas do Kazu - Clichês

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Sab Jul 11, 2020 1:00 am